7 nov, 2019
202

Viver ou trabalhar em condomínio é uma realidade que cresce em todas as cidades do país. Essa opção de moradia ou trabalho acarreta, entre outras coisas: o compartilhamento de espaço comum, a necessidade de cumprimento de várias normas que envolvem principalmente a legislação tributária, trabalhista e de segurança. Além disso, há a necessidade de gerenciar o fornecimento de insumos, as manutenções as reformas (áreas comuns e privativas) e os serviços, entre eles: portaria e limpeza. Também faz parte das atividades do gestor o atendimento das expectativas dos moradores.

Com o crescimento do número dos chamados “condomínios-clube”, que possuem várias torres, vasta área de lazer, torna-se indispensável que o gestor, que se assemelha a um prefeito, tenha tempo disponível para dedicar-se as funções e conhecimento sobre a matéria.

Para valorizar o patrimônio e manter toda a estrutura funcionando de forma eficiente, com qualidade e os custos orçados adequadamente, é primordial que o síndico tenha algum conhecimento sobre as diversas áreas que envolvem o condomínio ou tenha suporte profissional.

Não é necessário ser especialista em todas as áreas, mas que esteja disposto a buscar informações e a dividir as suas responsabilidades com pessoas ou empresas habilitadas, como: engenheiros de diversas áreas, arquitetos, advogados, administradores, contadores, auditores, mediadores, etc. Com uma administradora profissional contratada, permitirá esclarecer todas as dúvidas que surjam sobre a prestação de contas e o orçamento anual.

Em função do quadro atual e da rápida transformação do setor, é imprescindível que a administração de condomínios seja exercida por profissionais qualificados, íntegros, capazes de valorizar o patrimônio, proporcionando maior transparência às contas (receitas e despesas), ambiente harmonioso e seguro a todos.

Autor: Enrico Ferrari Ceneviz
Diretor Geral do Grupo Mercúrio